Moscou: uma surpresa muito camarada

Esqueça os estereótipos: a capital da Rússia é uma metrópole linda, agitada e acolhedora. Confira 10 lugares, atrações ou características que nos fizeram adorar esta cidade!

Texto e fotos: Paulo Mancha (exceto quando especificado)

Esqueça os memes da internet, esqueça as várias lendas que lhes vêm à cabeça quando o assunto é Rússia. Estive na capital do país final do ano passado e posso lhe afirmar, amigo leitor do Viajando por Esporte: Moscou é uma das três cidades mais lindas e apaixonantes que já visitei na Europa (sim, Rússia é Europa, ainda que muitos desavisados insistam em esquecer isso).

Uma metrópole que, graças à Copa do Mundo de 2018, se tornou internacional, com muita facilidade para os visitantes estrangeiros – hoje em dia, há placas e avisos em inglês nos transportes públicos, lojas e atrações turísticas, o que tornou a capital russa muito mais “tourist friendly”.

“Ah, mas os russos são frios, carrancudos e desconfiados”. Dizer isso equivale a falar que todo brasileiro é sambista e passa os dias na praia, tomando água de coco e jogando bola…

Sério, pessoal, esqueçam esses estereótipos bobos. Eu vi festa,  gente “fashion”, consumismo (e não comunismo!), glamour, sofisticação… Moscou está totalmente antenada com o Século XXI.

Neste post, eu e o mascote Parmesolino mostramos por que nos apaixonamos pela cidade de Dostoevsky, Kandinski, Ovechkin, Kournikova e outros.

Uma jornada por 10 lugares, atrações ou características que a tornam especial, na medida para você visitar quando a pandemia acabar e o turismo voltar às nossas vidas!


Teatro Bolshoi… e as danças típicas também!

Talvez você não ligue a mínima para balé – confesso que eu e o Parmesolino não sabemos nada a respeito dessa arte. Mas…ir a Moscou e não visitar esse predião aí é como viajar a Roma e não ver aquele argentino de saia que torce pro San Lorenzo, compara sabiamente nosso mascote Parmesolino… 🐶

O Teatro Bolshoi é a sede da mais famosa companhia de balé do mundo. Mas não é só isso. As grandes óperas se apresentam ali, assim como os maiorais da música erudita.

O prédio de 1856, em estilo neoclássico, tem uma história muito peculiar: ali ocorreu a proclamação oficial da União Soviética. Em 1922. Ele quase foi destruído por um bombardeio alemão na Segunda Guerra Mundial. E hoje tem um camarote especial para o presidente Vladimir Putin.

O tour guiado leva uma hora e tem versão em inglês. Custa 2000 rublos (R$ 140). Vale muito a pena.

E se você curte dança típica, tem que ir ao show folclórico Golden Ring, onde a música e a coreografia contam a história do país desde tempos imemoriais.

Muito bacana, por exemplo, ver a emoção da plateia quando tocam “Katyuhsa”, canção de amor que, por uma dessas inexplicáveis reviravoltas do destino, virou símbolo dos soldados russos durante a Segunda Guerra Mundial.

O ingresso sai a partir de por 1500 rublos (R$ 110).

Parmesolino ficou tão empolgado que agora só late em ritmo de “Kalinka, malinka, malinka maya…” 🐶 💃🏻

Olha só o vídeo que fizemos lá!


O Estádio Luznhniki… e a cadeira do Putin!

Este é o icônico estádio das Olimpíadas de 1980 e da Copa do mundo de 2018. Veja o vídeo que fizemos lá (conhecemos até o camarote do Putin!)

O tour guiado custa 900 rublos (R$ 60). Mas é preciso verificar antes quando é oferecido em inglês. Consulte o site do estádio. Ou, durante sua visita a Moscou, experimente ir a uma partida (só tome o cuidado para usar uma camisa de cor neutra, que não seja de nenhum dos dois times, pois a torcida lá não é flor que se cheire!


O Museu da Cosmonáutica… e nossa amiga Laika!

Laika e Parmesolino!

O primeiro homem a ir ao espaço foi um russo: Yuri Gagarin, em abril de 1961. “Só não esqueça que nós, doguinhos, fomos lá conhecer essas paradas cósmicas uns bons meses antes dele, belê?”, alertou-me o Parmesolino, todo orgulhoso da sua amiga Laika (na foto ao lado).  🐶👨‍🚀

A cadelinha pioneira nas viagens ao cosmo é homenageada nesse incrível museu, situado no Parque VDNKh.

Eu já visitei todos os grandes museus espaciais dos Estados Unidos: Cabo Canaveral, Houston, Cleveland… e afirmo que a versão russa está à altura dos primos da NASA.

Não faltam foguetes espaciais e artefatos que lembram a história da Corrida Espacial vista pelo lado soviético e russo. Muito bacanas os nichos dedicados ao pai da cosmonáutica Sergei Korolev, assim como ao Sputnik, o primeiro satélite artificial do planeta.

Eu, particularmente, fiquei tocado pela reverência e respeito que demonstram a Yuri Gagarin, o primeiro homem a ir ao espaço, em 12 de abril de 1962 – até o carro que ele ganhou de presente do governo após o voo está lá!

Daria para escrever uma reportagem inteira só sobre esse museu – e é o que eu farei em breve aqui no site. Fique ligado!

A entrada no Museu da Cosmonáutica custa 150 rublos (R$ 12).


A noite de Moscou… e seus mirantes incríveis!

Uma das maiores surpresas que já tive em viagem foi ver Moscou à noite. Praticamente tudo que é bonito fica iluminado. A cidade é deslumbrante mesmo quando o sol se vai.

Veja este vídeo:

Para quem acha que só existem prédios antigos e históricos, vale uma passadinha no bairro conhecido como Moscow City. É a região mais moderna da cidade, com arranha-céus gigantes, como a Federation Tower, com seus 327 metros de altura, ou a revolucionária Evolution Tower, com sua estrutura em forma de espiral.

Veja que vista impressionante no vídeo:

Em outra região da cidade, há mais mirantes, como a Torre Ostankino, com seus 540 metros de altura. Inaugurada em 1967, ela tem um restaurante no alto e está entre as mais altas construções do planeta.

É um dos (vários) orgulhos dos moscovitas. O ingresso custa 1200 rublos (R$ 90) e cães não são permitidos… Mas o Parmesolino entrou e foi bem atendido. Nas palavras dele próprio, “Os russos sabem reconhecer um VIP… ou melhor, VID – Very Important Dog…”  🐶


O jeito russo de ser… e seu humor incomum

Muita gente acha que os russos são sisudos e fechados. À primeira vista, parece mesmo. Na cultura russa, sorrir aleatoriamente para estranhos é tido como atitude “suspeita”, de quem está querendo alguma vantagem…

Isso não quer dizer que eles não tenham senso de humor. Pelo contrário! Uma vez que o russo confie em você, ele se abre e, acredite ou não, vira um italiano

Proibido jogar granadas!

É sério. Em Moscou, visitando um museu, decidi tirar uma foto do Parmesolino junto a esse cartaz da foto. Um segurança que estava ali perto chegou com cara de bravo e pensei: “Putz, vou levar bronca…”

Em vez disso, ele foi direto ao Parmesolino e disse olhando para o mascote: “Sobachka, ne pisay!” (“Cãozinho, não mije!”). Deu meia volta e foi pro seu lugar… 🐶🤣

A jornalista Anya Baturina

Se você ainda não acredita na alegria e descontração dos moscovitas, dá uma olhada neste instagram

É de uma jornalista que acabou se tornando minha amiga, a Anya Baturina. Pessoa mais de bem com a vida, impossível!


O Kremlin… e seus exageros (inclusive de beleza)

As catedrais do Kremlin

Durante muito tempo, eu achei que o Kremlin era um prédio, uma construção. Só na visita a Moscou fui entender que se trata de um complexo enorme que abriga cinco palácios, quatro catedrais e uma muralha.

Além de marcos históricos como o Canhão do Czar e o Sino Real – o maior do mundo.

Na verdade, a palavra “kremlin” significa “fortaleza dentro de uma cidade”. Por isso, há diversos kremlins na Rússia. Só que este, de Moscou, é o mais famoso. Ele abriga construções desde a Idade Média, mas os famosos muros foram erguidos no Século 15.

O passeio por lá é para o dia todo, principalmente para os que decidem visitar os museus – há vários espalhados pelo complexo. Assim como diversos tipos de tour guiado – o mais em conta sai por 1000 rublos (R$ 75).

Outra atração muito bacana é ver a troca da guarda, com os soldados russos marchando ao som de música, em meio às três catedrais do Kremlin.

Veja o vídeo!

Se você der sorte, ainda encontra o presidente do país chegando ou saindo da sede do governo. Eu preferi não esperar, porque sei que Vladimir Putin adora adotar cachorros e o Parmesolino já estava numas de Gostei dessas paradas, acho que vou ficar por aqui… 🐶🇷🇺


A Catedral São Basílio… mas não só ela!

Ela é o cartão postal da cidade e foi declarada Patrimônio da Humanidade pela UNESCO. A visita guiada custa 1000 rublos (R$ 75). Mas saiba que tudo em volta da Catedral São Basílio é bonito e grandioso.

Ao seu lado, aliás, fica o Mausoléu de Lenin, que vale a visita. Não, eu não sou “comunista” – aliás, os russos de hoje também não são. Mas eles preferiram preservar as construções históricas e marcos da Era Soviética, ressignificando e mantendo como atrações turísticas.

Praça Vermelha e Mausoléu de Lenin

Por falar em atração, outra emocionante por ali é o Túmulo do Soldado Desconhecido. É talvez o mais sagrado local do país, onde estão os restos mortais de dezenas de soldados que defenderam a cidade na tentativa de invasão nazista, em 1941.


As comprinhas… e suas surpresas!

De frente para o Kremlin está o GUM, provavelmente o shopping center mais espetacular que já vi em minhas viagens.

O charmoso e histórico shopping GUM
A padaria do GUM

O prédio suntuoso, construído entre 1890 e 1893, sempre abrigou a nata do comércio moscovita, mesmo durante os espartanos tempos do comunismo.

Hoje, é um lugar alegre, colorido, movimentado e folclórico.

Impossível não sair dali com algum souvenir, guloseima ou produto fino. Não consigo me esquecer do aroma fantástico da padaria que fica de cara para entrada principal.

A Rua Arbat é a “Oscar Freire” de Moscou…

Se você prefere comércio de rua, a uns dez minutos de caminhada tem a Rua Arbat, um calçadão frenético com centenas de lojas, cafés, livrarias e restaurantes. Parmesolino até fez amigos, como você vê na foto…

Parmesolino com os amigos Barney e Montilav, curtindo a agitação da Rua Arbat

A comida, incluindo o fast food e o kvass

“Olivier” é como os russos chamam a… “salada russa”! 😂

Algumas pessoas reclamam que eu só mostro restaurantes caros aqui no blog. Em Moscou, de fato, eu fui a vários deles. Também, como sempre faço, visitei alguns mercados típicos, onde encontrei a verdadeira “salada russa”, que eles chamam de “olivier”, aí na foto do lado.

Mas vou iniciar esta dica de um modo diferente. Pela primeira vez desde 2013, vou sugerir um fast food! O nome é Teremok. Esse é o “McDonalds da Rússia”.

Não se confunda, o verdadeiro McDonalds também está lá. Mas o Teremok é mais legal. A começar pelo cardápio, que não tem burgers, e sim comida tradicional, como os blinis (panquecas) e o pelmeni (o capelleti russo).

Sem falar no Kvass, a “Coca-Cola Russa” – uma bebida levemente gasosa, fermentada à base de pão (!), que é refrescante e d-e-l-i-c-i-o-s-a.

Veja este vídeo que fiz no Teremok:

Como o Parmesolino é chique demais, eu tive que levá-lo também em restaurantes de estirpe de Moscou. Como o Ottepel’, onde comi o melhor estrogonofe da minha vida (foto), num ambiente arborizado e bucólico, dentro do famoso Parque VDNKh.

Ah, e se você preferir, pode ter aulas práticas de culinária russa, em inglês. Eu e o Parmesolino aprendemos a fazer blinis e pelmenis com o chef Ilia Kuvaev no ateliê gastronômico pertencente à famosa atriz russa Yulia Vysotskaya.

O vocalista do Metallica largou tudo pra virar cozinheiro. Legal isso, né?, disparou o Parmesolino diante do premiado chef🐶🤦‍♂️


Os parques urbanos e seus museus

Já ouviu aquela música “Wind of Change”, dos Scorpions? Ela começa falando do “Gorky Park”. É tipo assim um Ibirapuera… mas com neve em metade do ano, define o Parmesolino, com mais deboche do que precisão meteorológica… 🐶

O Gorky é realmente agradável, além de icônico. Mas, se quisesse, o grupo de rock alemão poderia ter incluído mais uma meia-dúzia de outros lindos parques na letra. Dois deles me deixaram completamente abobalhado.

O primeiro é o Parque Zaryadye. Além do paisagismo à moda Burle Marx, ele tem centros culturais, teatros e auditórios – quase todos subterrâneos! Além da romântica ponte suspensa e de uma impressionante reprodução de quase todos os biomas da Rússia, com floresta taiga, tundra, estepes…

Tanto o Parque Gorky quanto o Zaryadye ficam à beira do Rio Moscou. Que nem de longe lembra o Tietê…, observou nosso mascote de faro apurado. 🐶 😂

Aliás, veja este vídeo:

O outro parque pelo qual nos apaixonamos foi Park VDNKh, inaugurado em 1935 e repleto de monumentos grandiosos, além de museus incríveis como o de Cosmonáutica, o de Biologia Marinha e o de História da Rússia. Absolutamente imperdível!

Enfim, Moscou foi uma surpresa de dimensões soviéticas!

“Auuuuuu…tamente recomendado, camarada!” 🐶🙂


Viagem realizada a convite do:
DISCOVER MOSCOW